Eu sou a estátua de Buda

66161_10151865692256676_1551583316_n

Sinto a respiração acelerada e o som da voz de alguém que  se prosterna diante de mim como se eu representasse todo o universo.
Olhos nos olhos todos os dias eu levo os seus pensamentos para fora dos seus espíritos, como que os varro com força ao saber que é em mim que procuram inspiração para Ser. O que na verdade seria tão simples se se despissem de todas as vestes e em vez de me olharem e de se prosternarem diante de mim, fossem apenas sentar-se num banco qualquer a procurar dentro de si tudo o que eu já encontrei e revelei.

É verdade meu caros, basta sentar e Ser. Afinal, não há muito a fazer para saber que todos nós um dia podemos ser uma estátua como eu sou, pois também já fui não-estátua antes de saber que podia apenas Ser, para ver a realidade que se esconde por detrás de tanta procura e que afinal está aqui à frente do nosso nariz; do meu nariz de estátua chamuscado pelas velas e incenso e também do vosso nariz frio e molhado de tanto transpirarem em pretensões e rituais de meditação. Dá vontade de  sair daqui de dentro e abraçar o V/ espírito dissolvendo-o na minha essência e assim assim acabar com a dualidade que afinal não tem fim porque na verdade nunca teve início.

Carmo Marques “Escrita Criativa” – “ponto de vista”, retiro de Verão – Casa da Torre 24-8-2013

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s