O tesouro do dragão

4 Fev


No reino para além das montanhas lilases há um dragão que  adora caçar borboletas. Na verdade não as apanha nem lhes faz mal, apenas corre pelos prados como um tonto, de um lado para o outro, fumegante, a abanar a cauda como um cachorro brincalhão. Mas não pensem que um dragão é como um animal qualquer, na verdade este dragão tem um temperamento terrível, mas é ternurento com os seres mais pequenos e breves.

O dragão chama-se Timóteo e acorda todas as manhãs a vociferar contra o mundo e a vaticinar toda a espécie de calamidades. O Timóteo odeia que não o levem a sério e por isso já tem chamuscado alguns narizes.Tenho visto alguns corações a cavalgar sem freio ante a visão dos seus olhos enraivecidos. Mas ele nem sempre consegue esconder uma lágrima, imaginem, uma lágrima, que rapidamente se evapora numa pequena nuvem cor-de-rosa, ao contemplar a beleza única do desabrochar de uma flor. Como não tem a mesma noção de tempo que nós humanos, um pôr-do-sol pode parecer-lhe eterno e um suspiro pode durar anos. Uma vida, por outro lado, pode parecer-lhe um segundo de desatenção.

O Timóteo é muito ciumento do seu território. Não é fácil para alguém aproximar-se, e a única possibilidade, aliás, de o amansar por uns momentos, é encanta-lo com uma canção. Claro que se desafinarem, ele pode ficar muito irritado. E resfolegar como um cavalo impaciente. Nessa altura é melhor pensar em recuar passo a passo, pedindo desculpas e esperando que a cólera não o faça perder a cabeça, ou pior, que a mostarda não lhe chegue ao nariz.

O dragão que vive no reino para além das montanhas lilases habita um castelo de altos torreões rodeado por um fosso coberto de crânios esverdeados pelas águas e das espadas enferrujadas dos cavaleiros que tentaram transpor a ponte levadiça e fracassaram.

Conta-se que no coração do castelo há um magnífico tesouro que o dragão foi acumulando ao longo dos séculos. É que para além de fascinado pelo voo das borboletas, é também irremediavelmente atraído pelo fulgor das jóias. De todas as pedras preciosas. E por isso o seu tesouro é composto pelos mais belos e maiores rubis, lápis-lazúli, diamantes, turquesas e mesmo algumas pedras menos preciosas mas igualmente belas e refulgentes.

A lenda também diz que só alguém com o coração puro poderá penetrar no castelo e descobrir o tesouro. Escusado será dizer que o fosso em redor do castelo recebeu os corpos de todos os corações impuros que se atreveram a cobiçar o tesouro. Mas ouvi também contar que uma menina uma vez entrou no castelo. Uma menina de sete anos com tranças loiras e olhos cor de mar.Talvez o seu coração fosse realmente puro. Tão puro que não se veria rastos de cobiça, de inveja ou de ódio. E fosse confiante como um raio de sol a entrar pela janela de manhã. E assim o dragão abriu-lhe o portão do castelo e a porta do tesouro e deixou-a brincar com as pedras como se fossem berlindes. Depois voltara para casa satisfeita, sem trazer uma única pedra no bolso.  Há quem diga que ela já tinha o seu tesouro, por isso nem pensaria em roubar o do dragão.

About these ads

Uma resposta to “O tesouro do dragão”

Trackbacks/Pingbacks

  1. No reino para além das montanhas – Bia « Chumani - 07/10/2011

    [...] rascunho, sem correções, 25-06; ver o tesouro do dragão) Share this:FacebookTwitterGostar disto:GostoBe the first to like this [...]

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: